Blog do Waldemar

MARANHÃO: Delegado da PF denunciou ‘fantasmas’ da Saúde baseado em ‘dossiê’ falso

Está confirmado: foi baseada num ‘dossiê’ falso, que chegou pelo Correio à casa de um dos investigados, que a Polícia Federal, por meio do delegado Wedson Cajé, acusou o governo do Maranhão e a Secretaria Estadual da Saúde (SES), na Operação Pegadores, realizada em 16 de novembro, de manter “mais de 400 servidores fantasmas” na Saúde do Estado.

A confirmação da falsidade e origem duvidosa do tal documento veio de um dos principais investigados, Antônio Aragão (presidente do Idac, uma Organização Social que prestava serviços à Saúde estadual).

Aragão foi apontado como autor do “dossiê”, mas em depoimento (reinquirição) prestado no dia 23 de novembro, negou que tenha produzido tal documentação.

De O Informante

Aragão afirmou ao delegado Wedson Cajé Lopes, quando “perguntado a respeito de um suposto dossiê localizado em sua residência”, que os documentos chegaram até ele “através da caixa de correio; que não sabe dizer se foi a empregada que recebeu; que abriu o envelope e viu tais documentos; Que esses documentos chegaram à residência do interrogado no início do mês de novembro; que tomou conhecimento do teor dos documentos e iria procurar seu advogado para tratar disso; que nega que tenha produzido tal documentação, assim como ninguém de sua família produziu o suposto dossiê”.

Sobre o falso “dossiê” apreendido pela PF, o governador Flávio Dino postou nas redes sociais:

“Há um mês, um delegado de polícia inventou ‘fantasmas’ na Saúde do Maranhão.

Ele usou um ‘dossiê’ falso.

O Judiciário o afastou do caso.

O Estado representou contra ele na Corregedoria da PF.

Não podemos aceitar abusos e arbitrariedades.

Defendo investigações sérias e isentas. Eu governo com seriedade e transparência nota 10.

Porém, combato ilegalidades e o fascismo. Não pode haver vale tudo.

Temos o dever de proteger a Constituição e as leis, com coragem. Assim faço.

O Estado Policial acha que pode tudo. Não pode.”

LIMINAR LEVA PROCESSO PARA O TRF-1

O desembargador federal Ney Bello Filho, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), concedeu ontem (12) uma liminar que leva todo o processo da Operação Pegadores (5ª fase da Sermão aos Peixes), da Polícia Federal, para o próprio TRF-1.

O pedido aceito pelo desembargador Ney Bello foi feito pelos advogados do secretário de Estado da Saúde, Carlos Eduardo de Oliveira Lula.

O argumento dos advogados Amanda Almeida Waquim e Pedro Carvalho Chagas é que o secretário tem sido alvo de investigação “por via reflexa”. Ou seja: mesmo não estando formalmente indiciado, a Polícia Federal tem apurado sua suposta participação (ou omissão) no esquema.

Como é autoridade detentora de foro por prerrogativa de função, Carlos Lula pediu que o caso subisse do 1º para o 2º grau, retirando todo o processo da juíza original, Paula Souza Moraes, substituta da 1ª Vara Criminal da Justiça Federal no Maranhão.

Ao conceder a liminar, Ney Bello conclui que “o que não é minimamente razoável é a Autoridade Policial [Polícia Federal] investigar quem tenha prerrogativa de foro sem que o processo tramite no Tribunal devido”.

Com os autos agora no TRF-1, deve haver novo sorteio para definição do relator entre os seis desembargadores federais criminais.

Caberá a um deles decidir se autoriza a continuação das investigações contra Carlos Lula (nesse caso, o processo segue no TRF-1) ou se as arquiva, retornando-se os autos ao juízo de 1º grau.

Leia mais: https://oinformante.blog.br/notas/pf-denunciou-fantasmas-da-saude-baseada-em-dossie-falso-2/#ixzz51A7eE9Ns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *