Blog do Waldemar

MARANHÃO: Caema começa a instalar reservatórios metálicos em municípios participantes do Plano Mais IDH

       

Comprometida com as ações estratégicas do Programa Mais IDH, idealizado pelo Governo do Estado, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão –  CAEMA, está iniciando a instalação de reservatórios metálicos visando levar mais água para a população de nove cidades do interior. Com um total de aproximadamente R$ 4,2 milhões a destinados à oferta água potável para a população das cidades de Afonso Cunha, Água Doce, Amapá do MA, Arame, Belágua, Governador Newton Bello, Pedro do Rosário, Santa Filomena do Maranhão e Serrano do Maranhão. Estes munícipios integram a lista de trinta cidades com menor IDH no estado beneficiadas por uma série de ações a partir do Plano Mais IDH. A estratégia tem como missão o abastecimento e também vai contribuir fortemente para alavancar o Índice de Desenvolvimento Humano nestes municípios, mediante ampliação do número de pessoas com acesso à água tratada.

O reservatório metálico é um equipamento fundamental para armazenar água captada nos poços e distribuí-la por toda a rede de abastecimento nas cidades. O equipamento funcionará como uma grande caixa d’água com corpo metálico, no formato de taça, com capacidade de armazenagem de 100 mil litros de água. Na primeira etapa do projeto, os reservatórios já foram montados nas cidades de Amapá do Maranhão, Governador Newton Bello e Pedro do Rosário durante este último final de semana.

Segundo o encarregado pela fiscalização das obras de implantação dos reservatórios nestas três localidades, o engenheiro Hamilton Navas Neto, para que o mesmo seja implantado, são necessárias diversas medidas antecipadas. As principais fases do projeto incluem a pré-montagem do reservatório, a construção de bases de concreto para assentamento e uma das mais complexas operações neste caso, que é o içamento dos reservatórios.

“É uma operação meticulosa que precisa ser feita com o auxílio de guindastes e participação de grande equipe de técnicos capacitados, para que se evite danos e avarias no reservatório”, explicou ele.

De acordo com a Unidade Especial de Planejamento e Políticas Públicas – UEP/ CAEMA, os reservatórios metálicos complementam as melhorias que estão sendo destinadas a esses municípios. É que, além dos reservatórios, outras melhorias estão sendo implantadas para que ainda mais moradores possam receber água potável em suas casas.

Nestas nove cidades, também estão sendo implantados quilômetros de redes de distribuição, necessários para que a água possa percorrer a distância do reservatório até as torneiras dos moradores.

A moradora de Governador Newton Bello, Maria Silva Sousa, convive com a falta de agua há anos. Conhecida em sua cidade como dona Odete, ela reclamava do esquecimento por parte do poder público. Hoje, sente que a mudança está acontecendo.

“Aqui há mais de três anos que nós vamos pegar água longe, em poços alheios. A gente vem carregando nos baldes, trazendo dois de uma vez, um numa mão e outro na outra, é ruim demais. Com essa obra, a esperança é que isso vai mudar muito, que tenha água para abastecer a gente para banhar, lavar, pra tudo”, relata dona Odete.

No bairro Mazilândia, também em Governador Newton Bello, a rotina de  Francisca de Jesus Nascimento é idêntica à de dona Odete. A água nem de longe lembra benefício, facilidade em realizar tarefas domésticas. É definida como um fardo, um grande peso que precisa ser carregado em baldes sobre a cabeça, tarefa diária que fatiga o corpo e esgota as chances de viver dignamente.

“Nós só temos água por meio de uma caixinha que tem ali. Dia sim, dia não. Quando vem, é um passa-passa de gente com balde dia e noite. Eu mesma tem dia que tenho que ir buscar água ali três vezes por dia, é um sacrifício isso aí”, revela a moradora.

Apesar de toda essa dificuldade, os moradores da Mazilândia já começam a irrigar o rosto com os primeiros sorrisos: os canos da rede de distribuição que está sendo implantada para receber o volume do reservatório já dão sinais de que isso tudo vai mudar.

 “Já colocaram os canos e pediram até autorização pra fazer a ligação da rede da rua aqui pra dentro de casa. Eu já tô esperando essa água por que a gente precisa dela demais”, comentou Francisca.

Assim como nos bairros que serão atendidos em Governador Newton Bello, nos outros municípios a serem beneficiados os moradores já vivem também uma nova perspectiva e aguardam ansiosos o momento de abrir a torneira e ver a água jorrando. Segundo Lais Alves Souza, assessora da UEP/ CAEMA, essa espera durará apenas até dezembro, quando todos os reservatórios já deveram estar prontos para receber o volume de água captados pelos poços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *