A Prefeitura de Pinheiro vive uma situação caótica em termos administrativos. Além de não honrar com compromissos como pagamentos das contas de luz, alguns servidores estão com salários atrasados, e um dos motivos que explica o desequilíbrio nas contas do município é a fortuna gasta pelos cofres públicos para bancar os rendimentos de familiares do prefeito Luciano Genésio (Avante).

O irmão de Luciano, Karla Lucyana Soares Canto Costa, é chefe da Controladoria Geral do Município e recebe mensalmente  R$ 9.360,00. O marido dela, cunhado do prefeito, Rogério da Silva Canto Costa, comissionado na Secretaria de Administração, Planejamento, Tributos e Finanças, recebe o mesmo salário, superior até mesmo ao do próprio secretário, Magno Luís Mendes, na casa dos R$ 4 mil. A médica e mãe do prefeito, Maria da Graça Silva Soares, embolsa R$ 14.223,92.

Os parentes da primeira dama, Thaiza Hortegal, também foram beneficiados com sinecuras na empresa familiar que se tornou a administração de Pinheiro. O pai, Talvane Hortegal, garantiu três contratos nos hospitais Antenor Abreu, Materno Infantil e PSF, abocanhando, só no mês passado, quase R$ 150 mil. Kaio Hortegal, irmão de Thaiza, foi contemplado com dois contratos, Hospital Antenor Abreu e Materno Infantil, embolsando R$ 82 mil só no mês passado. Rafael Matos Hortegal, primo, recebe R$ 49,4 mil.

Já o vice-prefeito, Stélio Cordeiro, emplacou empregos para a filha e uma sobrinha, situação que expõe flagrante caso de nepotismo é uma imoralidade diante da crise financeira vivida pelos municípios do Maranhão.

Do Marrapá