Blog do Waldemar Ter

A SAGA DE AMARALINDA: O novo livro do escritor Nonato Reis, um romance de base histórica

O jornalista e escritor Nonato Reis lança, até o final de novembro, o seu mais novo livro “A saga de Amaralinda”, um romance de base histórica ambientado no povoado de Ibacazinho, município de Viana, que serviu de berço jesuíta para a Missão de Conceição do Maracu, em meado do século XVIII.

O livro narra a luta de uma mulher, Amaralinda (junção dos nomes de Amaro e Almerinda, seus pais), ainda adolescente, para salvar da destruição o rio Maracu, ameaçado de aterramento, para possibilitar o trânsito de máquinas ao longo da MA-014, estrada construída no início dos anos 70.

 

Esse é o lado objetivo da trama, que mistura realidade, ficção, trapalhadas e senso de humor. Senso de humor que se cristaliza na figura da Tia Zulmira, fofoqueira de marca maior, que se ocupa em criar e difundir boatos entre os moradores. A coisa assume ares de drama quando a mulher, depois de morta, volta à tona, agora como alma penada, e se dana a violar os segredos mais bem guardados dos moradores.

 

Na conta dos personagens exóticos, destaque para Sebastião Xoxota que, matuto e semianalfabeto, assume a presidência do Clube de Jovens, entidade criada por Amaralinda (conhecida apenas como Linda), para mobilizar os jovens contra o aterramento do rio, e depois se elege vereador de Viana com uma votação estrondosa. Ressalte-se também o personagem de Eugênio, protagonista da primeira parte do livro, que com Linda vive uma bela história de amor e de cumplicidade.

 

O livro, porém, tem a sua trama alicerçada na figura de Linda, que, com extrema lucidez, prepara a comunidade para defender o seu patrimônio mais sagrado, o rio Maracu, contra a sanha criminosa do prefeito Língua de Sogra. Isso numa época marcada pela luz do querosene e pela falta de conhecimento, o que faz lembrar a luta solitária do mar contra o rochedo.

 

Mas Linda não está de todo sozinha nessa jornada épica. Além dos parceiros do clube de jovens, ela conta com a orientação indispensável do Padre Eider, lendário religioso de Viana, falecido em 2009, que, com seus sábios conselhos, faz com que ela compreenda as dificuldades do caminho e enfrente todos os percalços.

 

Engana-se quem pensa que este romance é um típico ensaio panfletário, que mistura discurso político e frases de efeito. Escrito com leveza e sensibilidade, A saga de Amaralinda seduz pelo estilo simples de narrativa e a mistura na medida certa de signos como luta, amor e paixão.

Nonato Reis é natural do Ibacazinho, lugarejo às margens do Rio Maracu, em Viana. Jornalista e escritor, trabalhou nos principais jornais de São Luís e também na Folha de S. Paulo. Estreou na literatura em 2017, com o romance “Lipe e Juliana”. Tem ainda prontos para publicação o livro de crônicas políticas “A História Recontada” e outro de contos e crônicas de cotidiano “A Fazenda Bacazinho”, previsto para julho de 2019.

Deixe uma resposta